sábado, 23 de julho de 2011

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO x INFORMAIS




Estou estranhando o silêncio do Ministério Público do Trabalho na fiscalização do comércio informal.

Caberia uma investigação para determinar quantos empregados trabalham nestes locais sem o devido registro em carteira, extrapolando o verdadeiro significado da informalidade. Além do contrabando poderão verificar a sonegação de recolhimento de encargos sociais (INSS e FTS), sem contar, que estes mesmos empregados também não terão acesso aos benefícios previdenciários permitidos por lei.

Tenho certeza que teremos pelo menos alguns milhares nesta condição. Ou será que o MPT não gosta de agir em locais que possam sofrer fortes pressões, preferindo ficarem comodamente instalados em uma das regiões mais caras da cidade e de díficil acesso a classe trabalhadora?

Lamentável atitude de um órgão que deveria estar presente ao lado de trabalhadores que tem seus direitos vilipendiados por empresários e políticos do mesmo naipe daqueles que desviaram fortunas de nossa cidade.