terça-feira, 17 de abril de 2012

RADICALISMO BURRO


Quem tem o dom da palavra, deveria ter responsabilidade, bom senso e ser centrado em suas atitudes, buscando minimizar os problemas sócio/econômicos, mas, bem ao contrário apóia descaradamente o radicalismo.

Pelo andar da carruagem não foram informadas que o Muro de Berlim caiu, aliás, foi derrubado pelo sentimento de irmandade que une os povos ocidentais e orientais. Que a China só é esta potência que hoje sobressai ao mundo graças ao capitalismo unido à mão-de-obra.

O mundo globalizado não aceita radicalismo de nenhum dos lados, a velocidade da informação busca o entendimento na mesma proporção.

Como pessoas públicas podem  achar correto a posição guerrilheira das FARC, a desobediência civil do MST ou, ainda, as atrocidades cometidas em Cuba perla ditadura imposta a muitos anos contra seu próprio povo. Em todos os casos temos a radicalização da violência para resolver problemas sociais, que deveriam ser resolvidos numa mesa de reunião.

Muitos de nossos parlamentares agem desta maneira quando deveriam resolver os nossos problemas com atitudes positivas aplaudem este tipo de procedimento. Se eles agem desta maneira o que podemos esperar das pessoas comuns?